Consultoria Ambiental

Quais são as etapas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas?

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas – GAC é definido como um conjunto de medidas tomadas com o intuito de minimizar o risco proveniente da existência de áreas contaminadas, à população e ao meio ambiente. Esse processo deve ser feito em etapas

Veja quais são as etapas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas e entenda qual o objetivo de cada uma delas.

Avaliação Preliminar

A etapa de Avaliação Preliminar tem como objetivo caracterizar as atividades desenvolvidas e em desenvolvimento, identificar as áreas fonte e as fontes potenciais de contaminação e orientar quanto à execução das demais etapas do processo de Gerenciamento de Áreas Contaminadas.

Ao final do estudo, quando a área for classificada como Área com Potencial de Contaminação (AP), será elaborado um Modelo Conceitual Inicial – MCA 1, identificando as possíveis fontes de contaminação, para o desenvolvimento do Plano de Investigação Confirmatória, propondo as metodologias de investigação para cada uma das áreas fonte identificadas.

Investigação Confirmatória

A etapa de Investigação Confirmatória tem como objetivo confirmar ou não a existência de contaminação na área em avaliação, por meio da investigação de todas as fontes potenciais identificadas na etapa de Avaliação Preliminar.

A área de estudo poderá ser classificada como Área Contaminada sob Investigação (ACI), caso sejam constatadas uma ou mais das condições estabelecidas no Decreto nº 59.263/2013 em seu artigo 28, após a etapa de Investigação Confirmatória

Investigação Detalhada

A etapa de Investigação Detalhada tem como objetivo delimitar as concentrações de contaminantes de interesse identificados na etapa de Investigação Confirmatória e caracterizar o meio físico onde se insere a Área Contaminada sob Investigação (ACI).

Para isso, as investigações são voltadas a delimitar tridimensionalmente os limites das plumas de contaminação, quantificar as massas das substâncias químicas de interesse, considerando as diferentes fases em que se encontram, caracterizar o transporte das substâncias químicas de interesse nas diferentes unidades hidroestratigráficas, além de coletar dados dos cenários de exposição para a realização da etapa de Avaliação de Risco.

Avaliação de Risco à Saúde Humana

A Avaliação de Risco à Saúde Humana tem como objetivo avaliar se os receptores locais estão expostos ou potencialmente expostos às substâncias químicas de interesse presentes na área contaminada, para decidir sobre a necessidade de implementação de medidas de intervenção.

A Avaliação de Risco irá calcular as concentrações máximas aceitáveis (CMA) para a área de estudo, levando em consideração as características da área e dos contaminantes presentes. Essas concentrações serão comparadas com os dados obtidos por meio das investigações realizadas.

Plano de Intervenção

O Plano de Intervenção é um documento técnico que contempla as ações a serem tomadas pelo Responsável Legal, após a área de estudo ter sido classificada como Área Contaminada com Risco Confirmado (ACRi), por meio do estudo de Avaliação de Risco à Saúde Humana.

O Plano de Intervenção tem como objetivo cessar os riscos que os receptores eventualmente possam estar expostos ou potencialmente expostos, devido à contaminação da área.Para isso, a depender do cenário de risco, as medidas de intervenção eventualmente adotadas são: medidas emergenciais, de controle institucional, de engenharia ou de remediação.

Remediação Ambiental

A Remediação Ambiental é uma medida de intervenção para reabilitação de uma área contaminada, através da aplicação de técnicas visando a remoção, contenção ou redução das concentrações de contaminantes presentes no local. 

A remediação é necessária quando as concentrações de contaminantes identificados podem acarretar em risco para os receptores locais humanos e/ou ecológicos.

Assim, a remediação ambiental consiste em um conjunto de técnicas voltadas a remoção da fonte de contaminação, a redução da contaminação nas matrizes do aquífero (solo, água subterrânea e vapores) para níveis aceitáveis ambientalmente.

A Decisão de Diretoria nº 38 da CETESB de 2017 estabelece diretrizes para as etapas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas e estipula as informações que devem estar presentes em cada estudo, sendo uma grande contribuição para o mercado ambiental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× No que podemos te ajudar?